Início >> Noticia >> Concerto abre a XXI Feira Pan-Amazônica do Livro no Hangar
  • Increase
  • Decrease

Current Size: 100%

Concerto abre a XXI Feira Pan-Amazônica do Livro no Hangar

 

A Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz (OSTP) apresentará o concerto "Poesia e Música. Por um mundo melhor" na solenidade de abertura da Feira Pan-Amazônica do Livro, nesta sexta-feira, 26, às 20h, com regência do maestro titular Miguel Campos Neto e participação da cantora lírica paraense Carmen Monarcha. A entrada é gratuita. As músicas escolhidas se baseiam na poesia, tema da programação deste ano.

O repertório traz clássicos como "Melodia sentimental", de Villa-Lobos e Dora Vasconcelos; e canções que foram arranjadas especialmente para orquestra, como "Eu sei que vou te amar", de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, e "Los pájaros perdidos", de Astor Piazolla e Mario Trejo, por exemplo. O maestro destaca que se primou pela relação do som com a palavra - e a relação poética destes com o canto lírico.

“Todo ano pensamos em como homenagear também, por meio da orquestra, o grande homenageado da Feira. Então, nada melhor do que pensar na própria poesia e nas letras dentro das composições. Não é difícil achar na música erudita essas marcas da poesia. ‘Melodia Sentimental', tem poema de Dora Vasconcelos e faz parte da obra 'A Floresta do Amazonas'", explica.

Para executar canções da música popular brasileira, escritas para grupos musicais menores, ou mesmo voz e violão, Miguel Campos Neto explica que é necessário realizar o trabalho de um orquestrador - que vai interpretar a obra original e transpô-la em partitura para um grupo orquestral. Também chamados de arranjadores, geralmente atuam em Belém nomes como Luiz Pardal, Tynoko Costa, Robenare Marques, maestro Agostinho Fonseca e Serguei Firsanov - já falecido, mas que contribuiu bastante neste sentido.

"É um trabalho fundamental para que a gente consiga tocar essas canções. Às vezes já existe a orquestração e nós solicitados a partitura, mas por vezes é preciso escrevê-la para que a gente possa tocar. E com a cantora no palco, essa relação é enfatizada, e fazer esse repertório com orquestra sinfônica é importante para o grupo", enfatiza.

Carmen Monarcha

A paraense Carmen Monarcha vem ganhando cada vez mais espaço no cenário nacional e internacional. Ao lado do violinista André Rieu e sua Johann Strauss Orchestra, Carmen atinge o carinho e reconhecimento do grande público e da mídia internacional, sendo considerada uma das representantes mais fiéis da cultura brasileira no exterior, ao longo de seus 13 anos de turnês internacionais pelos seis continentes. Nasceu em Belém do Pará, onde teve aulas com sua mãe, Marina Monarcha, soprano e mestra pela UFRJ. Em São Paulo, cursou o Bacharelado em Canto da Faculdade de Artes Alcântara Machado.

Na Holanda, formou-se em "Solo Singing Performance" no Conservatorium van Hogeschool Maastricht, por meio de bolsa concedida pela Fundação Vitae. Aperfeiçoou-se na Holanda e Alemanha com as sopranos Barbara Schlik, Elly Emmeling, Charlotte Margiono, Monika Hausvater e com os correpetidores Jeroen Riemsdijk, Constant Notten e o maestro Ludo Clasen. Dentre os prêmios que recebeu ao longo de sua carreira, destacam-se o primeiro lugar no "Concurso Nacional de Canto Irmãos Nobre" (1999), artista revelação no "Concurso Jovens Solistas da Petrobras" (2000) e o primeiro lugar no "Concurso Internacional de Canto Bidu Sayão" (2001).

 

PROGRAMA

 

·         Hino Nacional Brasileiro

·         Eu sei que vou te amar (Tom Jobim / Vinícius de Moraes)

·         Tamba-Tajá (Waldemar Henrique)

·         El Dia que me quieras (Carlos Gardel)

.           Chanson Bohème (G. Bizet / Prosper Mérimée)

·         Melodia sentimental (Villa-Lobos / Dora Vasconcelos)

·         Hino do Pará   

 

 

Abertura terá também assinatura de apoio do Banco da Amazônia a projetos culturais do Estado

Durante a cerimônia de abertura da Feira Pan-Amazônica do Livro, o Banco da Amazônia realizará a assinatura de três projetos culturais que garantirão apoio financeiro a eventos realizados no Estado, são eles: XXX Festival Internacional de Música do Pará; Apresentação artística “Equoterapia – uma História Especial” e o CD “Guitarradas para bebês” do músico e produtor Félix Robatto.

De acordo com o gerente de Imagem e Comunicação do Banco, Luiz Lourenço de Souza Neto, esses projetos foram selecionados por meio do Edital Público de Patrocínios, que visam fomentar os mais variados projetos culturais, sociais, esportivos, ambientais e de feiras e exposições realizados em toda a região amazônica. “Somente neste ano, estamos patrocinando quase R$ 2 milhões para vários projetos via Edital de Patrocínios”, informou.

O Festival Internacional de Música do Pará (Fimupa) celebra 30 anos de realização. Promovido pelo Governo do Pará, por meio da Fundação Carlos Gomes, é um dos maiores eventos musicais do estado que, anualmente, proporciona concertos gratuitos de música erudita e popular em algumas das principais salas de espetáculo da capital.

Este ano, o Fimupa será realizado no período de 4 a 11 de junho e o Theatro da Paz receberá as principais atrações. Serão no total 50 concertos e mais de 100 atividades pedagógicas. A edição especial de aniversário tem como tema ‘Fimupa: 30 anos de música e cultura’ e o grande homenageado é o compositor Heitor Villa-Lobos, que em março de 2017 completou 130 anos de nascimento. Além do Banco da Amazônia, também patrocinam este ano o XXX Fimupa o Banco do Estado do Pará e o Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES).

Desenvolvido pela Polícia Militar do Pará, o Programa de Equoterapia no Centro Interdisciplinar de Equoterapia atende há 24 anos a centenas de pessoas com deficiência com o uso terapêutico, educacional e social do cavalo. Neste ano, o Centro de Equoterapia da Polícia Militar do Pará, em parceria com a Associação dos Amigos da Equoterapia e a Companhia Bric Brac participará da XXI Feira Pan Amazônica do Livro e vai abordar o universo equestre e suas incursões na arte, educação e participação social da pessoa com deficiência, por meio de três apresentações.

A primeira será no estande do Banco, no dia 27 de maio, com a exposição dos bonecos de marionete do espetáculo “Equoterapia – uma História Especial”; depois haverá o debate: “Equoterapia, Arte Equestre Inclusiva e Participação Social da Pessoa com Deficiência”, também no dia 27, às 16 horas, na sala 4, da Feira; e a Apresentação Artística “Equoterapia – ao Passo da Arte Equestre Inclusiva”, no dia 3 de junho, às 11 horas, no Auditório Benedito Nunes.

Serviço: OSTP apresenta concerto de abertura da XXI Feira Pan-Amazônica do Livro, nesta sexta-feira (26), às 19h, no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia (Avenida Dr. Freitas, s/n - Marco)

(Com informações de Rosa Cardoso - Ascom Fundação Carlos Gomes)

Por Dominik Giusti